sábado, 24 de junho de 2017

Italiano desenvolve tecido semelhante ao couro a partir de resíduos de vinho novo...

 

Que os italianos têm um enorme dom para a moda e produção de vinhos, ninguém questiona. Mas o que tem chamado atenção para a “relação” entre esses dois universos – até então, desconexos –, é uma descoberta recente feita pelo arquiteto milanês Gianpiero Tessitore, que acabou desenvolvendo um produto um tanto quanto curioso.

Trata-se do Wineleather, um tecido produzido por meio de um tratamento especial de fibras e óleos contidos nos bagaços da uva, obtidos a partir de peles, sementes e caules da fruta utilizados na produção da tradicional bebida. Gianpero destaca a semelhança estética do novo tecido com o couro, com o grande diferencial de que o Wineleather é 100% vegetal, evitando, assim, o sacrifício da vida de milhares de animais e o uso de tecido sintético.

De acordo com o arquiteto, em entrevista para o portal italiano Canale Energia, os primeiros estudos dirigidos às características físicas e mecânicas de fibras vegetais começaram em 2014, com o intuito de entendê-las melhor para imaginar seu processo de transformação em materiais com foco sustentável.

Dois anos depois, a VEGEA, empresa criada pelo próprio Gianpiero com foco no desenvolvimento de novos tecidos vegetais, iniciou suas atividades, patenteando o revolucionário processo de produção.

Descobrindo as mais diversas propriedades e ductibilidade das fibras presentes na uva, o italiano decidiu apostar no aproveitamento da fruta, levando em consideração que 26 bilhões de litros de vinho são produzidos todos os anos e, consequentemente, quase sete bilhões de quilos de bagaço são descartados. Com isso, a iniciativa é mais uma ligada à chamada economia circular, já que o material da uva recebe uma nova função após o consumo primário.

Segundo os cálculos feitos pela própria VEGEA, o volume de bagaços de uva gerados a partir da produção de vinho tem capacidade para ser convertido em três bilhões de metros quadrado de Wineleather. Os planos da empresa para o futuro apontam para continuar inovando o processo de produção industrial de tecidos, como foco na redução de custos e efeitos negativos para o meio ambiente.

Para saber mais informações sobre o material, acesse o site da VEGEA no endereço: http://www.vegealeather.com

Fonte: pensamentoverde.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário