sábado, 24 de junho de 2017

Estudante cria solução simples que aumenta durabilidade das frutas...


Josemar Gonçalves de Oliveira Silva, estudante de Biologia no Instituto Federal de Brasília (IFB), desenvolveu uma solução à base de fécula de mandioca e óleo de cravo-da-índia que é capaz de proteger e retardar o amadurecimento de frutas. A solução é de baixo custo, sua produção não chega a R$ 5,00 o litro.

Josemar explica ao site da própria universidade que o desejo de desenvolver a substância veio após ele fazer uma pesquisa e descobrir que cerca de 40% das bananas que são colhidas acabam sendo desperdiçadas por doenças. Nos testes, sua substância conseguiu proteger 100% dos frutos revestidos, o que representa um resultado irrefutável.

“A fórmula impede o desenvolvimento de micro-organismos, principalmente os fungos. Além disso, traz outras melhorias ao alimento, como retardar a maturação, melhorar as características externas, aumentar o tempo de vida de prateleira dos frutos, isso tudo sem alterar as características originais do produto”, explica o estudante. Os alimentos testados ganham, em média, 10 dias a mais de vida quando utilizada a solução.

O próximo passo para o projeto é a verificação de patente e a automatização do processo de produção da substância para que ela possa ser utilizada em grande escala. Para os grandes produtores a ideia de Josemar é pensar em uma aplicação do produto por spray, com os frutos depositados em esteiras ou pendurados e, na segunda etapa do processo, uma secagem em câmaras específicas.

A curto prazo o projeto será disseminado para pequenos produtores, assentados e donos de sacolões e quitandas. Com essa pesquisa, o estudante ganhou o prêmio de melhor projeto da IV Semana de Produção Científica do Instituto Federal de Brasília, foi convidado para fazer estágio na Universidade de São Paulo (USP), além de ter sido destaque no Fórum Mundial de Educação Profissional, no Congresso Norte e Nordeste de Pesquisa e Inovação e na 67ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Fonte: pensamentoverde.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário