terça-feira, 20 de junho de 2017

Eficiência energética: As 9 cidades mais sustentáveis do mundo...

 
Se você tem um projeto de eficiência energética e está buscando investimento, é importante você saber que o Brasil ainda tem muito o que aprender com outros países sobre práticas sustentáveis – principalmente relacionadas ao setor de energias renováveis.  

Diretores financeiros e outros tomadores de decisão são convencidos sobre a importância da implementação de projetos de energia quando usamos indicadores financeiros. Mesmo assim, não podemos deixar de lado os benefícios em termos de sustentabilidade.

Neste post, vamos ver como 9 cidades do mundo estão obtendo bons resultados e porque são consideradas as mais sustentáveis do planeta. Elas são uma boa referência e podem inspirar novos projetos.

Quais critérios são avaliados?

É comum que, quando o assunto for sustentabilidade, as cidades ao redor do mundo, assim como as companhias públicas e privadas, sejam avaliadas em relação a três pilares principais. O primeiro é relacionado às pessoas: o indicador considera como critérios, principalmente a educação, a saúde, a infraestrutura de transportes e o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

O segundo pilar é o planeta em si. Precisam ser avaliados, entre outros aspectos, as taxas de reciclagem, o consumo de energia, a cota de eficiência energética, uso de energia renovável e, claro, as emissões de gases com efeito de estufa. 

Como terceiro pilar vem o lucro. Aqui, são analisados a posição da cidade em redes econômicas globais, as empresas melhor ranqueadas nas estatísticas de maiores lucros mundiais, o PIB e o custo de vida, entre outros.

Quais as 9 cidades com as práticas mais sustentáveis do mundo?

Amsterdã:

A cidade assumiu o compromisso de reduzir as suas emissões de carbono em 40% até 2025, e isso a partir de 1990. Seu maior desafio é garantir um futuro sustentável para os habitantes da capital da Holanda. Suas ações são, principalmente, voltadas ao aumento em grande escala da utilização de energia sustentável, à economia de energia e uso eficiente de energia fóssil.

Berlim:

A cidade só permite a circulação de veículos que atendam aos padrões de emissão específicos na chamada zona ambiental. Berlim é a cidade alemã que tem seus arredores com a maior densidade de empresas de tecnologia ambiental, instituições de pesquisa e trabalhadores de tecnologia limpa do país.

Copenhague:

A capital da Dinamarca tem suas políticas e planejamento ambiental conhecidos no mundo todo. A cidade tem como compromisso ser neutra em carbono até 2025. Está, também, na Dinamarca, uma das maiores indústrias de turbinas eólicas do mundo, sendo que estas geram uma quantidade substancial de energia eólica e do total, perto de 20% são usados internamente.

Frankfurt:

A cidade alemã é reconhecida como cidade verde. Durante muitos anos, Frankfurt foi proativa em iniciativas voltadas à sustentabilidade. Ela tem conseguido conquistar uma redução de emissões de carbono de 10% a cada cinco anos. Desta forma, sua expectativa é reduzir a emissão de carbono em 50% até 2030. Na cidade há uma estação de energia de biomassa que fornece eletricidade para cerca de 20 mil famílias e ainda abastece a indústria e o comércio.

Hong Kong:

A cidade chinesa tem nas energias eólica e solar seu grande potencial de crescimento. Estudos e prognósticos dão conta de que a energia solar, a energia eólica e a energia gerada a partir de resíduos têm enorme potencial para uso muito mais amplo em Hong Kong, tanto que centenas de projetos já em andamento buscam desenvolver o uso de energia renovável e, também, reforçar sua eficácia.

Londres:

No seu Plano de Ação sobre Mudanças Climáticas, a capital da Inglaterra pretende alterar 25% do seu poder de fontes de energias geradas localmente até 2025. A cidade tem procurado também reduzir suas taxas de emissão de gases de efeito estufa e aumentar os espaços verdes disponíveis para a população em geral.

Roterdã:

Você sabia que somente o Porto de Roterdã tem um total de 200 MW de capacidade instalada de energia eólica? Pois bem. Isto quer dizer que cerca de 10% da energia eólica global é produzida no país. São grandes os esforços desta importante cidade no setor de bioenergia e energia solar.

Seul:

A Coréia do Sul participa ativamente em vários projetos nos setores de energias públicas e privadas. O objetivo é aumentar a produção de energia a partir de fontes renováveis. O governo apoia, incentivando investimentos privados na geração de energia solar fotovoltaica e alugando equipamentos públicos não utilizados. A prefeitura, por sua vez, também contribui assinando acordos com as empresas para construir estações de energia solar fotovoltaica adicionais, o que vai garantir uma potência de 250 MW.

Singapura:

A capacidade instalada total da rede de sistemas fotovoltaicos em Singapura estava distribuída por 468 instalações em toda a ilha. E isto no primeiro semestre de 2014. Mais recentemente, a provedora líder global de soluções de energia solar REC anunciou uma parceria estratégica para oferecer uma nova solução híbrida para encorajar os consumidores de Singapura a adotarem a energia solar.
*As cidades acima foram colocadas em ordem alfabética.

Fonte: abesco.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário