quarta-feira, 21 de junho de 2017

Como compor o ROI dos projetos de eficiência energética em edifícios...

 
Somente nos Estados Unidos, donos de prédios comerciais investiram mais de $14 bilhões de dólares, em 2014, em projetos para melhorar sua eficiência energética. O valor desses investimentos deve só ter aumentado de lá pra cá. Isto ocorre porque se trata de um investimento de baixo risco, que aumenta o fluxo de caixa operacional e o valor do edifício em questão. 

Se você está querendo vender um projeto de eficiência energética para um condomínio, é preciso deixar claro que o gestor estará fazendo um investimento financeiro num mercado altamente atrativo.

ROI é o primeiro item a ser avaliado pelos empresários


Apesar da pressão pública por projetos deste tipo – que amenizem os efeitos nefastos das mudanças climáticas -, o primeiro item a ser avaliado para tornar esse investimento possível não é a redução da emissão de carbono ou uma tentativa de salvar o meio ambiente. 

Pelo contrário, o primeiro item a ser avaliado é o retorno do investimento (ROI). Esta constatação pode até parecer uma insensibilidade por parte dos empreendedores, mas é assim que funciona a dinâmica das empresas.

Após a implementação de um projeto de eficiência energética, a maior parte das melhorias alcançadas é resultado de um investimento estratégico, bem diferente das conquistas alcançadas por uma simples reposição de um equipamento quebrado, por exemplo . 

Justamente por isso, para os administradores de condomínios, o projeto de eficiência energética pode não parecer algo urgente. No entanto, quem demora meses ou até mesmo anos para se decidir sobre a implantação desses, engana-se ao pensar que não está perdendo dinheiro: cada dia que passa significa um gasto que poderia ser evitado.

Múltiplos benefícios devem ser analisados


Já se sabe que a eficiência energética resulta em economia de energia. Porém, já estão comprovados outros benefícios não tão óbvios. O termo ”múltiplos benefícios” surgiu para descrever os muitos aspectos positivos adicionais, que surgem como resultado de um projeto. Ou seja, o total de benefícios é muito significativo tanto para edifícios comerciais, institucionais e de manufaturas, quanto para as empresas de todos os portes e segmentos.


Os benefícios estendidos da eficiência energética incluem, entre outros:

  • Aumento da produtividade;
  • Aumento da qualidade do produto;
  • Maior confiança no sistema de produção.

Um exemplo prático: Imagine um projeto que modifica todo o sistema de iluminação de um condomínio. Ele vai trazer redução do consumo de energia em primeiro lugar. Mas vai, também, introduzir lâmpadas com maior vida útil, o que reduzirá os custos ligados à troca de um grande número de lâmpadas e, possivelmente, maior nível de luminância do que o atual.

Benefício extra: Valorização da propriedade


O dono de um prédio comercial ou industrial precisa sempre alcançar o valor máximo de sua propriedade. Para isso, leva em consideração:

  • Atualizações de infraestrutura;
  • Atualização da tecnologia;
  • Acompanhamento das mudanças e inovações do mercado relacionado a prédios;
  • Necessidade de taxas altas e consistentes de ocupação;
  • Reflexão sobre como uma propriedade alienada pode afetar sua venda.

Fonte: abesco.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário