sábado, 11 de março de 2017

Missão chinesa visita instituições brasileiras nas áreas de promoção comercial e gestão ambiental...


Cerca de 50 representantes de províncias chinesas do Pan Delta do Rio das Pérolas, chegaram a Brasília segunda-feira, 6 de Março, para reuniões com representantes do governo brasileiro das áreas de promoção comercial, gestão hídrica, proteção ambiental e sustentabilidade. 

Foram dois dias de reuniões na capital federal. O primeiro encontro da comitiva, chefiada por Jackson Chang, presidente do instituto de Promoção do Comércio e do investimento de Macau (IPIM), foi na Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), órgão com atuação semelhante ao instituto, no decurso da qual serão apresentadas experiências do governo brasileiro na área de economia verde e sustentabilidade.

Além de uma apresentação da Apex, houve uma exposição por representantes da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), focada no tema do biocombustível e a relação com a sustentabilidade.

Criada em 1977, a Única representa as principais unidades produtoras de açúcar, etanol (álcool combustível) e bioelectricidade da região Centro-Sul do Brasil, nomeadamente de São Paulo.

As empresas associadas respondem por mais de 50% da produção nacional de cana e 60% da produção de etanol. Na colheita 2015/16, o Brasil produziu aproximadamente 617 milhões de toneladas de cana, matéria-prima utilizada para a produção de 31 milhões de toneladas de açúcar e 28 mil milhões de litros de etanol.

No caso da Apex, de salientasse que recentemente, a agência criou o “Grupo China” que concentra as ações relacionadas com este país, o maior parceiro comercial do Brasil.

O Grupo é presidido desde Junho de 2016 pelo diplomata Roberto Jaguaribe, que ocupava o cargo de embaixador do Brasil na China e Mongólia.

Na mesma altura, a agência, que nasceu ligada ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, passou a ser tutelada pelo Ministério das Relações Exteriores, a fim de ampliar o desenvolvimento de estratégias de negócios.

Os integrantes da comitiva conheceram, durante a visita o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), ligado ao Ministério da Defesa, o sistema de alerta hidro-meteorológico. Esse trabalho, executado na região norte do país – bacia amazônica – faz parte da ação de acompanhamento estratégico da área pelo governo brasileiro. A instituição tem como propósito gerir o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam).

Entre os parceiros contam-se o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Serviço Geológico Brasileiro (CPRM) e a Agência Nacional de Águas (ANA), que foi visitada pela delegação em Brasília.

O Sipam tem três estações de Recepção de Satélites GOES e duas estações de satélites NOAA/Modis/Metop instalados nos centros regionais de Porto Velho (RO), Belém (PA) e Manaus (AM) e 11 radares meteorológicos e 50 estações meteorológicas de superfície distribuídos nos principais municípios dos estados de Mato Grosso (MT), Tocantins (TO), Roraima (RR), Amazonas (AM), Rondônia (RO), Acre (AC), Pará (PA), Amapá (AP) e Maranhão (MA).

A delegação teve a oportunidade de conhecer as águas da bacia amazônica durante a visita, na quarta-feira (8 de Março), a Manaus, capital do Amazonas.  A cidade está localizada no centro da maior floresta tropical do mundo – Amazônia – e na confluência dos rios Negro e Solimões, que, ao se encontrarem, formam o grande rio Amazonas. O rio Negro é o maior afluente da margem esquerda do rio Amazonas, o mais extenso rio de água negra do mundo e o segundo maior em volume de água — atrás somente do Amazonas.

A região amazônica é maior bacia hidrográfica do planeta, cobrindo mais de sete milhões de quilômetros quadrados (quatro milhões apenas no Brasil).

Antes da ida para Manaus, a comissão teve uma reunião no Ministério do Meio Ambiente, com participação de representantes do Ministério do Planeamento, Desenvolvimento e Gestão. Do programa constam a apresentação de temas da política brasileira de meio ambiente, como o Plano de Ação para Prevenção e Controlo do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm) e a política de recursos hídricos.

Relativamente ao Ministério do Planeamento, Desenvolvimento e Gestão a abordagem envolverá projetos voltados para a proteção ambiental e desenvolvimento rural, com financiamento externo, tema de interesse da delegação chinesa.

A delegação que visita o Brasil é formada por representantes do grupo “9+2”, o Pan Delta do Rio das Pérolas. São nove províncias do sul da China – Guangdong, Sichuan, Fujian, Hainão, Guangxi, Yunnan, Hunan, Guizhou e Jiangxi – e as regiões administrativas especiais de Hong Kong e Macau. A região do delta, uma das mais desenvolvidas da China continental, é formada por numerosos rios, entre os quais o das Pérolas.
 
Site: http://www.macauhub.com.mo
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário