segunda-feira, 25 de março de 2019

Geração da fonte eólica sobe 15% em 2018...

Os dados consolidados do boletim InfoMercado mensal da CCEE indicam que a geração de energia eólica em operação comercial no país cresceu 15% em 2018. As usinas movidas pela força do vento produziram 5.304,4 MW médios frente aos 4.618,9 MW médios entregues ao Sistema Interligado Nacional – SIN em 2017. 

A representatividade da fonte eólica em relação a toda energia gerada no período pelas usinas do Sistema alcançou 8,4%. A fonte hidráulica (incluindo as Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs) foi responsável por 72,6% do total e as usinas térmicas responderam por 19% incluindo as usinas solares.
Ao final de dezembro, a CCEE contabilizou 570 usinas eólicas em operação comercial no país que somavam 14.541,7 MW em capacidade instalada, número 15,5% superior frente aos 12.589,7 MW de capacidade das 494 unidades geradoras existentes em dezembro de 2017.

Geração Eólica por Estado

Quando a análise foca na geração por estado, o Rio Grande do Norte segue como maior produtor de energia eólica no país com 1.505,4 MW médios de energia entregues no período analisado. Na sequência, aparecem a Bahia com 1.255,9 MW médios produzidos e o Ceará com 772,3 MW médios. Em quarto lugar aparece o Piauí com 638 MW médios, ultrapassando o Rio Grande do Sul que ficou com 634,1 MW médios. 

Os dados consolidados da CCEE, ao final de 2018, confirmam ainda o estado do Rio Grande do Norte com a maior capacidade instalada, somando 3.849,8 MW. Em seguida aparece a Bahia com 3.550 MW, o Ceará com 2.347,8 MW, o Rio Grande do Sul com 1.777,9 MW e o Piauí com 1.638,1 MW de capacidade.

Fonte: Ultimo Instante

domingo, 24 de março de 2019

Crescimento do mercado offshore impulsiona geração de empregos no RJ...

Otimismo com as perspectivas de crescimento do mercado offshore amplia a criação de novos negócios e postos de trabalho em 2019.

Com alto nível de complexidade, a indústria petrolífera movimenta grandes cifras ao redor do mundo e após uma crise que envolveu empresas expressivas da área, o Brasil volta a ser o foco dos investimentos e gerar empregos nesse mercado.

Segundo dados da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) a previsão é de que para iniciar os trabalhos de exploração, sejam gerados já em 2019, algo em torno de 12 mil empregos diretos.

Multiplicação de empregos

Na visão de especialistas da federação, cada um desses empregos no mercado offshore é responsável pela criação de outros dois postos de trabalho em terra e de apoio, gerando consequentemente mais oito vagas indiretas de emprego. Isso faz com que a expectativa para a indústria de petróleo do Rio de Janeiro seja de mais de 100 mil novos postos de trabalho.

Esse número é explicado pelo círculo virtuoso que ocorre na indústria de petróleo. Com o interesse despertado em mais de 35 empresas internacionais, sediadas em países como, Alemanha, Canadá, Austrália, França, Suíça e Estados Unidos, a qualidade dos empregos gerados no Rio de Janeiro é maior, já que diversos deles oferecem uma remuneração acima da média da indústria brasileira.

Profissionais, de todas as partes do Brasil e do mundo, com a formação necessária para ocupar essas vagas serão responsáveis por injetar dinheiro na economia do Rio de Janeiro, por meio do comércio e da contratação de serviços da iniciativa privada.

Petróleo em Macaé 

Uma das cidades estratégicas para investidores que queiram aproveitar esse campo em desenvolvimento é Macaé-RJ. O município, que é considerado o 2º melhor do estado para investimentos, viveu um grande momento econômico no período de descoberta do Pré-sal e agora se estrutura para receber uma série de novos negócios.

Presente no centro do Rio de Janeiro e também em Macaé, a BQ Escritórios tem sido uma parceira dos investidores que precisam de estrutura para aproveitar esse cenário. Nossos escritórios virtuais representam a solução ideal para que empresas possam fechar negócios mesmo antes de se estabelecerem nessas cidades.

Momento para profissionais liberais

Essa onda de crescimento representa também um aumento de clientes potenciais para áreas como o Direito, Contabilidade e Consultorias Financeiras. Esses profissionais que já possuem base de atuação no Rio de Janeiro podem contar com nossos escritórios virtuais para absorver ao máximo as oportunidades produzidas pela indústria de petróleo em Macaé e outras partes do estado.

Todo esse otimismo com o mercado offshore só tende a se solidificar neste ano, já que está previsto mais um leilão de blocos de exploração do Pré-sal. Novos pontos de extração demandarão ainda mais recursos humanos na região e um investimento em infraestrutura que precisa ter início imediato. Com a perspectiva apresentada pela Petrobrás de dobrar a produção de petróleo até 2030, o Rio de janeiro estará mais uma vez na liderança da produção de empregos e oportunidades de negócios no país.

Fonte: Click Petróleo

sábado, 23 de março de 2019

Trident Energy lidera na venda de petróleo da Petrobras...

A Trident Energy, subsidiária da Warburg Pincus, está em negociações exclusivas com a Petróleo Brasileiro SA para adquirir um par de clusters petrolíferos brasileiros, disseram duas fontes com conhecimento do assunto esta semana. empresa conhecida como Petrobras se move para reviver o esforço de venda.

A Petrobras havia concordado em julho de entrar em negociações exclusivas com a Ouro Preto Óleo e Gás, uma empresa brasileira de energia apoiada pela empresa de private equity EIG Global Energy Partners, para vender seus clusters de petróleo em águas rasas de Pampo e Enchova, na costa do Rio de Janeiro.

Na época, esperava-se que os clusters chegassem a US $ 1 bilhão. No entanto, Ouro Preto reduziu sua oferta e a Petrobras foi embora, informou a Reuters em janeiro.

Desde então, a Petrobras entrou em negociações exclusivas com a Trident Energy, que licitou os campos em 2018, mas não entrou em negociações diretas com a Petrobras porque sua oferta estava abaixo da oferta de Ouro Preto, de acordo com as fontes.

A Trident foi criada por ex-executivos da petrolífera independente anglo-francesa Perenco em 2016. Seu portfólio é composto por ativos de produção localizados na Guiné Equatorial. Uma aquisição dos clusters Pampo e Enchova na Bacia de Campos do Brasil marcaria sua primeira posição fora da África.

A Petrobras e a Trident não responderam aos pedidos de comentários.

A Petrobras está atualmente desinvestindo uma ampla gama de campos petrolíferos maduros, onshore e offshore, entre outros ativos, em uma tentativa de cortar dívidas e reorientar o promissor jogo de pré-sal em águas profundas do Brasil. Na semana passada, o presidente-executivo da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse que esperava que a empresa completasse US $ 10 bilhões em desinvestimentos nos primeiros quatro meses de 2019.

A rápida mudança para Trident, após o colapso das negociações com Ouro Preto, ilustra a determinação da Petrobras em avançar com essas alienações de ativos. As vendas, muitas vezes complexas, prosseguiram em trancos e barrancos.

Caso a Petrobras e a Trident cheguem a um acordo, disseram as fontes, a Petrobras provavelmente realizará uma rodada final de rebites, na qual partes concorrentes, incluindo Ouro Preto, podem apresentar propostas finais de valores variáveis ​​para Pampo e Enchova, desde que essas ofertas tenham o mesmo valor. termos contratuais como qualquer acordo com a Trident.

Juntas, a Pampo e a Enchova produziram quase 39 mil barris de óleo equivalente por dia, segundo dados de julho, tornando-se o maior ativo de produção madura no portfólio de desinvestimento da Petrobras.

Fonte: Click Petróleo

sexta-feira, 22 de março de 2019

Energia Eólica Offshore e a busca pela regulamentação no Brasil...

Desde 2018, projetos de regulamentação e criação de leilões de parques eólicos offshore estão em pauta na Câmara de Deputados. O projeto de lei 11247/18, que visa a legalidade da criação de leilões de parques eólicos ou solar offshore no Brasil, foi aprovado no Senado, em fevereiro, e agora aguarda parecer da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) da Câmara e depois das comissões de Minas e Energia; Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

O projeto de lei indica que as plataformas de geração poderão ser instaladas no mar territorial (até 22 quilômetros da costa) e na zona econômica exclusiva (até 370 quilômetros) e também dá autorização para a implantação das usinas nas chamadas águas interiores, como lagos e rios.

Fica também autorizada a instalação de Parques Eólicos com potência superior a 5 MW e a 1 MW no caso de solares, para usinas de menor capacidade, uma autorização da Aneel será necessária, a partir de um estudo de impacto ambiental.

Além desse projeto, o Ibama está desenvolvendo de uma agenda regulatória para o licenciamento de projetos de energia eólica offshore no país e também está estudando três projetos. Um deles é da Petrobras, que será direcionado para o campo de Ubarana, em águas rasas da Bacia Potiguar, no Rio Grande do Norte, e deve ser um modelo para outros projetos do tipo, devido ao aumento de investimentos de petroleiras em energia renovável, a fim de compensar suas emissões de carbono e estar alinhadas com o Acordo de Paris. 

Segundo o Gerente de Negócios em Energias Renováveis da Petrobras, Clóvis Neto, o potencial offshore é muito expressivo e a companhia se beneficia de sua experiência em exploração e produção de petróleo offshore para participar desse processo.

Em alguns países produtores de petróleo, a produção eólica offshore atrelada a produção offshore de petróleo tem reduzido custos e trazido resultados positivos. No Brasil, a Equinor está avaliando a instalação de eólicas offshore e novos projetos de energia solar, disse o presidente da empresa no país, Anders Opedal. A meta global da empresa é reduzir as emissões de CO2 fixada em 8 kg por barril de óleo equivalente produzido.

Tendo como finalidade incentivar ainda mais o desenvolvimento desse setor e possibilitar o enriquecimento de experiências dos profissionais da área, a AHK Rio promove a Missão Técnica Eólica Offshore. O participante terá a oportunidade de aprofundar e atualizar seus conhecimentos sobre esse setor e seus aspectos regulatórios, técnico e ambiental. A missão também possibilitará a geração de contatos nas principais empresas e instituições de pesquisa e agências regulatórias do setor eólico offshore.

Será sediada na Alemanha, nas cidades de Hamburgo e Bremerhaven, entre os dias 19 a 24 de maio, com uma programação exclusiva que inclui visitas técnicas às grandes empresas alemãs e projetos do setor. Uma excelente oportunidade de networking e de aprendizado sobre as novas tecnologias do mercado e as últimas tendências.

Para mais informações, acesse o informativo e a programação completa.

Fonte: EPBR - Canal Energia

sexta-feira, 8 de março de 2019

Lagartixa: o réptil protetor do seu lar...

Lá está a lagartixa, tranquila andando pela parede. Calma, não precisa ter medo, pelo contrário: ela pode te proteger! O réptil é um grande aliado no controle de pragas domésticas.

As lagartixas se alimentam de traças, aranhas, pequenos escorpiões, insetos e uma das presenças mais indesejáveis em qualquer ambiente: as baratas. Ao seres humanos não fazem nenhum mal: não mordem nem são transmissoras de doenças, mais alguns motivos para serem vistas com bons olhos.

Embora existam há milhões de anos na Terra, foi só em 1960 que os cientistas descobriram como as lagartixas, que são parentes dos lagartos, conseguem andar pelas paredes e teto sem cair, desafiando a gravidade.

O cientista alemão Uwe Hiller sugeriu a existência de um tipo de força atrativa entre as moléculas da parede e as da pata da lagartixa conhecida na Física como força intermolecular de Van der Waals, em homenagem ao físico que a descobriu, o alemão Joahannes Diederik van der Waals.

No final do século 20, uma equipe de cientistas liderada pelo biólogo americano Kellar Autumn comprovou a análise de Hiller e a pesquisa foi publicada na revista científica Nature. No artigo, Autumn ressaltou que “se todos os pêlos microscópicos das patas, chamados de setae, aderissem simultaneamente e em sua força máxima à parede, duas patas de uma lagartixa poderiam produzir uma força capaz de suspender até uma criança de 20 quilos. ”

Existem 1.384 espécies de lagartixa no planeta, das quais 34 são encontradas no Brasil. O animalzinho é detentor de características curiosas. Veja algumas:

Cauda regeneradora

Ao sentir-se ameaçada por algum predador, a lagartixa desprende a causa do corpo, que se mexe por alguns segundos para desviar a atenção e ter a possibilidade de fuga. A cauda passa por um processo de regeneração e cresce novamente em até três semanas, porém, não terá mais vértebras em seu interior, mas cartilagem (como a das nossas orelhas) e, a cada vez que esse processo acontecer, o tamanho vai encurtando.

“Olhos de lince”

De hábitos noturnos, as lagartixas enxergam muito bem à noite. Os olhos delas são 350 vezes mais sensíveis à luz do que os olhos humanos.

Reprodução e tempo de vida

A reprodução das lagartixas é ovípara. Geralmente, as fêmeas põe entre um ou dois ovos. Na natureza, elas depositam seus ovos entre cascas de árvores ou na terra. Nas casas, qualquer fresta um pouco úmida, como pequenas fissuras ou frestas de janelas, já é local adequado. Os filhotes das lagartixas nascem após cerca de 42 a 84 dias e já estão prontos para viverem sozinhos.
As lagartixas vivem, em média, oito anos.

Como pode ver, a convivência com as lagartixas é harmoniosa. Elas são amigas, pode confiar!

Fonte: Pensamento Verde

quinta-feira, 7 de março de 2019

Lembrancinhas ecológicas: 5 dicas para o seu casamento...

Sabemos que o planejamento de um casamento não é uma tarefa fácil. Existem muitos detalhes a serem pensados para que seu grande dia fique perfeito. Um desses detalhes que é imprescindível, é qual lembrança entregar para os convidados.

Além disso, como o assunto é a sustentabilidade e se seu casamento tem esse tema, apostar em lembrancinhas ecológicas é a melhor forma de presentear seus convidados.

Pensando nisso, nós decidimos trazer para você uma lista com 5 dicas de lembrancinhas ecológicas para o seu casamento.

Confira abaixo a lista de lembrancinhas ecológicas e inspire-se:

Mudas

A primeira lembrancinha ecológica da lista são mudas de plantinhas. Que ideia poderia ser melhor que presentear seus convidados com uma mudinha de planta? Dessa forma, seus convidados podem plantar e toda vez que verem a plantinha lembrarão do seu casamento!

Sementes

Outra ideia legal para lembrancinhas ecológicas é distribuir entre os convidados sementes. Você pode escolher vários tipos de sementes e personalizar cartõezinhos com os nomes deles.

Mas, lembre-se: Para sua lembrancinha ser realmente ecológica, você não pode usar qualquer tipo de papel para os cartões. Indicamos o papel semente, que além de compor suas lembrancinhas ecológicas, você também ajuda o meio ambiente.

Ecobags

Outra opção para lembrancinhas ecológicas que pode fugir um pouco do comum são ecobags. Afinal, será uma lembrança extremamente útil para os convidados. O casal pode personalizar com a monograma, decoração da festa ou até mesmo com frases que os dois se identificam.

Por fim, estas últimas duas dicas, não são exatamente de lembrancinhas ecológicas, porém reutilizáveis.

Potes de doces

Uma ideia diferente de presentear seus convidados no seu grande dia é dar doces.

Você pode escolher entre geléias, mel, suspiros, marshmallows, entre outros, e colocá-los em potes de vidro. Mas também pode diversificar e criar suas lembrancinhas pensando em cada pessoa presente no seu casamento. Dessa forma, eles poderão saborear o conteúdo do pote e usá-lo para qualquer outro fim.

Frascos de temperos

Seguindo a mesma linha de lembrancinhas anterior, um frasco de tempero pode ser uma ótima escolha. Você pode criar vários frascos com temperos diferenciados e entregar para os convidados. Assim eles também poderão reutilizar os frasquinhos quando os temperos acabarem.

Fonte: Pensamento Verde

Lembrancinhas ecológicas: 5 dicas para o seu casamento...

Sabemos que o planejamento de um casamento não é uma tarefa fácil. Existem muitos detalhes a serem pensados para que seu grande dia fique perfeito. Um desses detalhes que é imprescindível, é qual lembrança entregar para os convidados.

Além disso, como o assunto é a sustentabilidade e se seu casamento tem esse tema, apostar em lembrancinhas ecológicas é a melhor forma de presentear seus convidados.

Pensando nisso, nós decidimos trazer para você uma lista com 5 dicas de lembrancinhas ecológicas para o seu casamento.

Confira abaixo a lista de lembrancinhas ecológicas e inspire-se:

Mudas

A primeira lembrancinha ecológica da lista são mudas de plantinhas. Que ideia poderia ser melhor que presentear seus convidados com uma mudinha de planta? Dessa forma, seus convidados podem plantar e toda vez que verem a plantinha lembrarão do seu casamento!

Sementes

Outra ideia legal para lembrancinhas ecológicas é distribuir entre os convidados sementes. Você pode escolher vários tipos de sementes e personalizar cartõezinhos com os nomes deles.

Mas, lembre-se: Para sua lembrancinha ser realmente ecológica, você não pode usar qualquer tipo de papel para os cartões. Indicamos o papel semente, que além de compor suas lembrancinhas ecológicas, você também ajuda o meio ambiente.

Ecobags

Outra opção para lembrancinhas ecológicas que pode fugir um pouco do comum são ecobags. Afinal, será uma lembrança extremamente útil para os convidados. O casal pode personalizar com a monograma, decoração da festa ou até mesmo com frases que os dois se identificam.

Por fim, estas últimas duas dicas, não são exatamente de lembrancinhas ecológicas, porém reutilizáveis.

Potes de doces

Uma ideia diferente de presentear seus convidados no seu grande dia é dar doces.

Você pode escolher entre geléias, mel, suspiros, marshmallows, entre outros, e colocá-los em potes de vidro. Mas também pode diversificar e criar suas lembrancinhas pensando em cada pessoa presente no seu casamento. Dessa forma, eles poderão saborear o conteúdo do pote e usá-lo para qualquer outro fim.

Frascos de temperos

Seguindo a mesma linha de lembrancinhas anterior, um frasco de tempero pode ser uma ótima escolha. Você pode criar vários frascos com temperos diferenciados e entregar para os convidados. Assim eles também poderão reutilizar os frasquinhos quando os temperos acabarem.

Fonte: Pensamento Verde